Os pais e a escola - Um futuro melhor

Postado em 09/01/2019

Os pais e a escola - Um futuro melhor

Pesquisa revela que famílias de alunos de escolas públicas esperam encontrar professores e diretores eficientes, e computadores para garantir um bom trabalho para os filhos e menos violência.

 

Uma parceria estreita entre família e escola é determinante para o sucesso da aprendizagem de crianças e jovens. Mas qual é a visão dos pais sobre a Educação recebida pelos filhos, especificamente na rede pública? Para chegar à resposta, o Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial e a Fundação Victor Civita realizaram uma pesquisa de campo com 840 responsáveis por estudantes do1º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Médio de escolas municipais e estaduais na capital paulista.

O estudo, divulgado em primeira mão por NOVA ESCOLA, mostra, entre outros pontos, que o ensino é visto como fator de mobilidade social. De acordo com Nilson Vieira de Oliveira, coordenador da pesquisa, os familiares sabem que precisam e querem acompanhar a qualidade da Educação, mas faltam-lhes meios para isso. Os governos poderiam identificar os pais mais atuantes e aproveitar seu potencial de mobilização para que envolvam os demais em programas de melhoria da escola, sugere. Outros seis temas se destacaram. Confira, a seguir, as principais conclusões.

Sim à inclusão digital

As lan-houses foram citadas por 12,6% dos entrevistados como sendo o local utilizado pelos alunos para estudar e fazer lição de casa e trabalhos, superando de longe a biblioteca escolar (4,5%) e a pública (3,3%). Para as famílias, a informatização tem extrema importância. De acordo com Patricia Mota Guedes, do Fernand Braudel, quando foi perguntado que atividades extra-escolares gostariam que a escola oferecesse, cursos de computação ficaram em primeiro lugar, com 36%, na frente de opções importantes como aulas de reforço em Matemática (11%) e em Português (9%).

Em casa, o acesso à informática está se expandindo: 35,6% dos entrevistados declararam possuir computador. A internet está presente em 27,1% das residências, como a da dona-de-casa Jailda Oliveira, mãe de Mayara, 12 anos, que está na 7ª série, e Maely, 14, que acaba de ingressar no Ensino Médio. "Eu e meu marido compramos um computador, assinamos um plano de internet e matriculamos as meninas numa escola para aprender a lidar com o equipamento", afirma. "Agora elas não precisam ir à lan-house para ler notícias e fazer pesquisas."

Outras Notícias

 

Distração de adolescentes pode ter explicação neurobiológica
Postado em 21/03/2019

A falta de atenção típica da fase pode ser causada por fatores biológicos. Mas especialistas afirmam que esta não é a única razão

A cena é comum: você abre a porta de casa e seu filho adolescente, que deveria estudar p...
leia mais »

Aprendendo com Filmes
Postado em 14/03/2019

Além disso, é uma forma de manter contato com a representação desses assuntos, visualizá-los, compreender o espaço geográfico em que acontecem, enfim, identificar conteúdos que foram tratados pelos professores.

Mas não &eacu...
leia mais »

'Meu filho não é carinhoso'
Postado em 07/03/2019

Algumas crianças demonstram preferência por um dos pais e passam a ter uma relação distante com o outro. Ou pior: identifica um terceiro cuidador como sua figura materna. Isso acontece com o seu pequeno? Saiba o que fazer

Ainda na gravidez os pais começ...
leia mais »